2leep.com

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

PRÉ ECLÂMPSIA E SINDROME DE HELLP


Pré-eclâmpsia e Síndrome de HELLP


Pré-eclâmpsia e Síndrome de HELLP:
o que deve ou não preocupá-la...
Na novela Passione, Vitória resolveu nascer antes da hora e, aos 7 meses de gravidez, Diana – vivida por Carolina Dieckmann - é internada às pressas, após um terrível mal-estar. Assim que Vitória nasce, Diana vê a filha, mas não resiste muito tempo. Ela tem uma forte hemorragia, chega a conversar rapidamente com Mauro (Rodrigo Lombardi), mas não resiste e morre. A trama tocou em um assunto importante, uma doença grave, mas algumas informações ali representadas podem levar a enganos e fazer com que as gestantes fiquem assustadas à toa. Pensando nisso, fomos atrás de novas informações para esclarecer as dúvidas das futuras mamães.

DÚVIDAS COMUNS:
Quem tem pressão alta não tem maior ou menor chance de ter pré-eclâmpsia
A causa da pré-eclâmpsia ainda é desconhecida. Ela é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sintomas e um deles é a má adaptação placentária. É quando a placenta não adere direito ao útero, fazendo com que o organismo feminino reaja como se ela fosse um corpo estranho. Nessa reação, os vasos sanguíneos se contraem, elevando a pressão sanguínea. Portanto, a pressão da mulher antes da gravidez não influencia no aparecimento da pré-eclâmpsia.
Estresse na gravidez não provoca pré-eclâmpsia
A personagem vivida por Carolina Dieckmann sofria pressões e chantagens de todos os lados e, por isso, muitas mulheres associaram a pré-eclâmpsia ao estresse. Os dois problemas não estão ligados e a pré-eclâmpsia se dá por fatores genéticos e seu aparecimento sempre dependerá da combinação entre os genes do casal.
A Síndrome de HELLP é uma doença rara
Raramente uma grávida chega a ter a Síndrome de HELLP porque isso é uma complicação da pré-eclâmpsia. A síndrome de HELLP só acontece quando a pré-eclâmpsia não é tratada, ou seja, quando não há um médico acompanhando adequadamente para receitar anti-hipertensivos ou apontar a necessidade de um parto prematuro. Se a pré-eclâmpsia é controlada, a síndrome de HELLP não tem chance de acontecer e o risco de a mulher morrer como a personagem da novela é pequeno.
Após o parto a pressão se normaliza
Na novela, Diana morre graças a uma grave hemorragia. Embora a Síndrome de HELLP possa levar à morte, não é comum chegar nesse ponto. Depois do parto, com a retirada da placenta, a pressão se normaliza, portanto o risco da parturiente morrer depois disso é pequena.
O perigo da hipertensão na gravidez
Esse mal acomete um número considerável de grávidas e pode trazer consequências tanto para a mãe como para o bebê. Felizmente, é possível assumir as rédeas do problema. Veja como
Por Maria Luiza Lara
Foto Alex Silva
A combinação entre muito sal na dieta, sedentarismo e maus hábitos em geral deflagra uma doença que atinge de 5 a 7% das grávidas brasileiras. Trata-se da hipertensão gestacional, um problema que pode comprometer a saúde e a vida da futura mamãe e a do bebê.

A hipertensão gestacional é uma complicação que acompanha entre 5 e 7% das grávidas brasileiras. O aumento da pressão é um mal que pode comprometer a saúde e a vida tanto da mãe quanto do bebê. Alberto D’Auria, médico obstetra e diretor do Hospital Maternidade Santa Joana, na capital paulista, é taxativo: “Maus hábitos e alimentação desequilibrada. Aí está a origem de praticamente todos os problemas de saúde”. Para ele, ainda, o aumento da pressão durante a gestação se inclui nessa sentença.

Patrícia Miziara Montalvão, 26 anos, advogada, é um exemplo de como a união de maus hábitos alimentares pode ser fatal. Ela não poupou seu paladar, sempre voltado para comidas salgadas, durante a gestação, não fez restrições alimentares e não praticava atividades físicas, até mesmo porque nunca apresentou problemas de peso. Patrícia estava no sexto mês da sua primeira gravidez quando, num exame de rotina de pré-natal, constatou o aumento da pressão. Entre idas e vindas ao médico, picos da pressão de até 18/11 e várias tentativas em controlá-la com medicamentos, ela chegou ao limite entre a vida e a morte. Patrícia mora em Santa Maria do Tocantins e teve que ser levada às pressas para Brasília. A médica que a recebeu se assustou com seu estado: ela estava muito inchada e, assim que foi internada, começou a ter convulsões. O parto foi induzido algumas horas depois: “Quando tiraram Ana Letícia e junto a placenta, na hora minha pressão se normalizou”, conta Patrícia. “Mas não apontaram a placenta como a única causa da hipertensão. Tive uma gravidez tumultuada, com muito estresse e hábitos alimentares péssimos. Tinha desejo por tomate cru com sal todos os dias!”

E você...teve algum problema de pressão arterial durante o parto?
Divida sua experiência conosco...

Beijinhos,
Kakau

2 comentários:

selma disse...

NÃO ACREDITEM NISSO!!! PODE ACONTECER SIM!!!! NUNCA TIVE PRESSÃO ALTA E OS MEDICOS ME PERDERAM NA MESA DO PARTO. SE ESTOU AQUI É PORQUE DEUS ME DEU OUTRA CHANCE PRA CUIDAR DOS MEUS GEMEOS.FIZ UM PRE NATAL COMPETO. POR FAVOR, NAO BANALISEM ESTA DOENÇA TAO RARA SO PORQUE ACONTECEU NA NOVELA.NAO É SENSACIONALISMO. CUIDEM-SE!!!!!!!!!!!!

Juliana disse...

juliana
tive sindrome de heelp ha 11 meses atras, e a minha filha nao resistiu e morreu, ela tinha 6 meses. a doença e grave e nao pode ser ignorada, hoje estou gravida novamente de 5 meses e ja esta tudo bem graças a deus